Greenpeace ▪ Voluntários do Rio de Janeiro

Grupo de Voluntários do Rio de Janeiro


Deixe um comentário

Consumir sem consumir a Mãe Terra e o Ser Humano

Imagem

Consumir sem consumir a Mãe Terra e o Ser Humano

“A Terra tem o suficiente para todas as nossas necessidades, mas somente o necessário”.(Mahatma Gandhi)

Nos últimos anos, verificamos alguns avanços na forma de pensar e agir do ser humano. O grande desafio é de motivar e modificar o pensamento das pessoas em relação ao consumo.

A Mãe Terra sofre com as péssimas condições de seu meio.Nosso planeta, com recursos naturais vastos, mas finitos, sofre uma degradação ambiental antiga e contínua. O ser humano, principal ator da degradação ambiental, sofre as conseqüências do desrespeito ao meio ambiente em sua vida. A mudança de atitudes na sua postura em relação ao meio ambiente é fundamental para que haja uma transformação.

Não resta a menor duvida, estamos diante de um modelo de produção e consumo nitidamente insustentável, já que consumimos 25% a mais de recursos naturais do que o planeta consegue repor. Isto é, a Terra não está conseguindo repor ar respirável, água limpa e terras sadias, além de não estar conseguindo absorver os resíduos produzidos pela humanidade a uma velocidade compatível com o seu uso ou produção. E isso acontece quando dos quase sete bilhões de habitantes da Terra, somente 1,7 bilhão aproximadamente conseguem consumir sem restrições. Se todas as pessoas do mundo consumissem como os habitantes mais ricos, seria necessário quatro planetas Terra para atender a demanda.

Da relação existente entre as cadeias de produção e o consumo surge à necessidade de refletir sobre o processo do consumo sustentável.

Consumo sustentável é o ato de adquirir, utilizar e descartar bens e serviços com respeito ao meio ambiente e à dignidade humana. Consumo Sustentável quer dizer saber usar os recursos naturais para satisfazer as nossas necessidades, sem comprometer as necessidades das gerações futuras.(Relatório Brundtland, 1987)*.

Um comportamento ambiental consciente tem que ser encarado como uma prática de sobrevivência para todos nós, e para gerações futuras. E exige somente mais atenção com o que está a sua volta.
No dia a dia nos deparamos com várias situações, das mais simples as mais complexas, tais como atitudes profissionais, com a família e o meio ambiente.O critério usado para a tomada de decisão tem que ser repensado uma vez que as atitudes tomadas trarão a curto ou longo prazo conseqüências futuras para o desenvolvimento sustentável, refletir sobre as atitudes tomadas define como estamos convivendo não só com a sociedade, mas também com os recursos naturais, cada opção tem influencia direta com a Mãe Terra.

O consumo sustentável depende da disponibilidade de bens e serviços sustentáveis. Assim existe um binômio, a produção sustentável está associada ao consumo sustentável.

O que produzir, descartável ou retornável? Para que produzir, para suprir as necessidades ou para ostentação e acumulo de capital? E para quem produzir, para uma minoria dominante ou maioria excluída? E como consumir? A adesão ao consumo sustentável se faz questionando como, por que, o que, de quem comprar, como usar e como descartar. Ou seja, implica necessariamente, na redução do volume de bens e serviços produzidos e na maneira de consumo da sociedade.

Adquirir apenas o necessário para uma vida digna, minimizar o desperdício e a produção de rejeitos e resíduos, consumir apenas bens e serviços produzidos que não agridam o meio ambiente, motivar processos agrícolas (principalmente a agricultura familiar, cooperativas, comercio justo), proporcionar políticas que se preocupem com questões sociais, culturais e ambientais tanto na produção como na administração mediante parâmetros éticos e conhecer o ciclo de vida dos produtos (CVP) mediante selo de certificação são algumas das ações em prol do consumo sustentável.

O problema é que existe uma relação inversa entre aqueles que tem acesso aos bens e serviços de consumo, originados com base na obtenção, direta ou indireta, dos recursos naturais, e aqueles que sofrem com a degradação ao meio ambiente causada pelos primeiros.

Forma-se assim um “apartheid ambiental” de um lado está a parcela da sociedade que tira de inúmeras formas proveito do meio ambiente, por ter a propriedade dos bens naturais e por poder adquirir os bens e serviços, ao passo que do outro restou a parcela da sociedade que, além de não conseguir tal acesso, ainda é obrigada a arcar com o passivo ambiental alheio(externalidades).

O conceito adequado de sustentabilidade remete a uma dimensão mais ampla e que extrapola esta visão egoísta dos que faturam com a ciranda financeira, com a especulação, a doença do lucro, com o sobe e desce das taxas de juros e do câmbio. O consumo sustentável tem ligação com responsabilidade social, não com investimento. Sustentabilidade é algo que reside na alma e não apenas uma ferramenta que engorda a conta bancária.

Vale apontar um falso dilema quanto ao custo dos produtos sustentáveis. Isto fica claro quando se pensa no curto e no longo prazo. No curto prazo, por vezes, um produto sustentável será mais caro. Mas, dado o fato de que o produto sustentável não terá impactos negativos sobre a sociedade e o meio ambiente, a longo prazo o consumidor não terá que pagar os custos sociais e ambientais que certamente existem no consumo de produtos não sustentáveis. Esta é a troca. Naturalmente, com a saúde em jogo, eu não penso duas vezes em fazer a escolha por pagar um pouco mais hoje para não ter que pagar a mais no futuro com uma moeda denominada saúde.

O consumo sustentável , que o capitalista não faz questão de ver, tem muito com a redução da pobreza, com os direitos das crianças e adolescentes, com o acesso à educação e ao trabalho, com a solidariedade, com o respeito à biodiversidade.

A sustentabilidade está vinculada à valorização dos saberes e conhecimento tradicionais e inclui tanto os gestores das corporações quanto os povos da floresta, ribeirinhas, agricultores familiares…

A prática do consumo sustentável significa mais do que a soma das partes. Ele deriva de relações saudáveis, éticas, democráticas, equânimes e socialmente justas.

“O debate em torno do tema sustentabilidade é muito rico e ao mesmo tempo necessário em uma sociedade que só vai prosperar quando todos os relacionamentos se tornarem sustentáveis o bastante para apoiarem as iniciativas de cidadãos e comunidade empresarial. Para isso acontecer é preciso que, antes de tudo, todos entendam o conceito e a prática do desenvolvimento sustentável em sua plenitude e tenham atuação de valor internalizado”.
(Maragngoni Nelsom,Sustentabilidade: Hoje ou Amanhã, IBOPE –http://www.ibope.com.br/forumibope).

A proposta aqui é que já dispomos de conhecimento suficiente, teorias suficientemente fundamentadas, evidências embasadas em tecnologias para tomar todas as decisões necessárias para colocar nosso desenvolvimento na direção de um consumo sustentável muito melhor do que o que temos hoje. Nosso problema hoje está na falta de mais ações pragmáticas e velocidade para “fazer acontecer”. Não é ético continuar pregando as ações que já sabemos ser necessária. A cada dia que passa é possível ter uma noção dos impactos sobre o consumo sustentável e os problemas causados a médio e longo prazo. Todo esse quadro é reversível e essa reversão é absolutamente necessária para fazer com que o consumo sustentável se torne realidade.

• *O termo Desenvolvimento Sustentável é consagrado no relatório Nosso futuro comum, produzido pela Comissão mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida pela norueguesa Gro Harlem Brundtland, a pedido da ONU, e publicado em 1987.

Escrito por Ricardo Machado. Ambientalista, graduado em administração de empresas, pós – graduado em planejamento e gestão ambiental, Voluntário do Greenpeace.

 

Thomas Mendel, ativista do Greenpeace mostra como foi o acampamento solar

Deixe um comentário

2014 começou mostrando para todos nós a potência solar do Brasil, não é mesmo?

Então, para saber mais sobre o que toda essa energia solar pode fazer pelo nosso país Thomas Mendel, ativista do Greenpeace mostra nesses dois videos como foi sua experiência em um acampamento solar na Suíça…para aprender mais e trazer as ferramentas necessárias para implantarmos a energia solar no Brasil.

VIVA A JUVENTUDE SOLAR!

Clique no link:
http://puc-riodigital.com.puc-rio.br/Televisao/Meio-Ambiente/Estudante-da-PUC-promove-energia-solar-na-Suica-23235.html#.Uqxg3_8eHQw.facebook

HOJE ESTAREMOS NA PRAIA DE BOTAFOGO – RJ

Deixe um comentário

HOJE ESTAREMOS NA PRAIA DE BOTAFOGO - RJ

Dia Global de Ação em Apoio aos 30 presos.
17HS – PRAIA DE BOTAFOGO – RIO DE JANEIRO
Teremos cartazes fixados na areia com mensagens e com o rosto dos ativistas presos, alguns folders, adesivos, muitas velas, escreveremos uma mensagem com elas…Vamos simbolizar a tristeza e a injustiça cometida ao manter os ativistas presos!

Depois postaremos como foi a atividade.

Não deixem de participar!!!!


2 Comentários

Carta da Ana Paula

Ligue AGORA na Embaixada Russa e peça a imediata libertação dos ativistas #freetheartic30

Queridos leitores,

Me chamo Ana Paula e sou um dos 30 ativistas presos aqui na Rússia. Hoje faz um mês que nos retiraram de nosso amado navio Arctic Sunrise e, depois de dois dias em uma cadeia, três em outra, agora estou sentada em minha cela na penitenciária para onde nos trouxeram dia 29 de setembro. Tudo isso depois de um protesto pacífico onde queríamos chamar a atenção do mundo sobre os perigos de danos ambientais ao perfurar em busca de petróleo no Ártico.

Um mês que nossas vidas pararam, aqui sozinhos, tive tempo pra parar e pensar e lhes pergunto, caros leitores: quantos produtos derivados de petróleo você usou nesses último mês? Derivados de petróleo são usados para fabricar muitas coisas e, sendo “coisas” consumíveis, sofrem sob o efeito “procura e demanda” que as pessoas ávidas pelo consumo compram, utilizam e descartam com uma rapidez sem precedentes nos dias de hoje.

Nosso planeta, o que chamamos de casa, o único que conhecemos com vida, está em crise e precisamos fazer algo individualmente, todos os dias. Creio que não estariam indo procurar petróleo no Ártico se não houvesse quem o utilizasse. Se fôssemos mais preocupados em ser do que ter, usaríamos menos petróleo, a natureza estaria sob menores riscos, os protestos pacíficos não seriam necessários, eu não estaria presa injustamente…

Nem tenho palavras para agradecer a todas as pessoas que se importam e que clamam por nossa liberdade. Gostaria de agradecer especialmente o apoio do governo e do povo brasileiro que têm se mostrado incansáveis em seu suporte pela minha liberdade. Clara Solon, da embaixada do Brasil na Rússia é quase uma segunda mãe para mim. Tem sido impecável em suas visitas, presença na corte, apoio psicológico e tudo o que está a seu alcance.

Gostaria de fazer um apelo ao mundo e aos que se importam: Salvem o Ártico! Consumam menos para serem mais, usem sacolas reutilizáveis, apaguem as luzes ao não usá-las, procurem produtos com menos embalagem, usem mais as pernas e menos os carros. Você não é o seu telefone celular, ele não diz nada sobre suas virtudes, você não precisa do último modelo. Separe o lixo, recicle, conserte o que quebrar em vez de comprar outro, informe-se.

Existem tantas mil pequenas ações que podem ser feitas todos os dias para salvar o Ártico, a Amazônia, os recifes de corais e todo o resto. Basta escolhermos bem o que comprar. Nós todos e cada um de nós somos responsáveis pela mudança!

Promete que vai tentar. E eu vou saber que esse mês presa não foi em vão.
Com amor, Ana.

Imagem


Deixe um comentário

Um Ponto Verde Mais Que Iluminado

Imagem

Por Marcella Melo – Voluntária do Greenpeace Rio

Domingo, 27 de Outubro, 8 horas da manhã.

Acordamos bem cedo, o que não é um costume para a maioria das pessoas em um dia de domingo.

A galera se encontrou na Praça XV em frente a estação das barcas pra mais um dia de trabalho, diversão e troca de experiências.

Tomamos um café da manhã super reforçado dentro da barca, com uma das vistas mais lindas do nosso Rio de Janeiro… A Baía de Guanabara!

E com aquela brisa fresca batendo em nossos rostos, eu tive a certeza de que o dia ia ser mais que perfeito.

Chegamos naquela pequena ilha chamada de Paquetá, fazia tempo que o grupo não ancorava por ali.  Aproximadamente 1 ano.  Porém, os moradores lembraram de nós e estavam felizes com a nossa presença.

Nós do Greenpeace somos uma das únicas ONGs a visitar aquele pequeno lugar, tão único e tão carente de informação.

Pra começar bem o nosso dia, uma tarefa diferente: montar o novo fogão solar.

A tarefa atraiu a curiosidade das pessoas que passavam, para nós a união e o trabalho em equipe foram a junção perfeita para desvendarmos os mistérios daquele novo artefato.

Tudo pronto! Começamos as atividades…

As pessoas que passavam se sentiam atraídas por todas as peças que compõem o Juventude Solar.  Um projeto inovador, que desperta a curiosidade e a vontade de aprender de qualquer um que vê ou ouve a gente falar sobre os benefícios da energia solar.  Energia essa que temos de sobra em nosso país e que devemos não só divulgar mas também lutar para que isso possa fazer parte do nosso futuro.

Continuamos as nossas abordagens levando as pessoas a conhecerem as outras campanhas – desmatamento zero e a libertação dos 30 no Ártico.

Notamos que com a repercussão na mídia sobre a prisão dos ativistas, as pessoas estão muito preocupadas em saber mais informações e também em poder ajudar de alguma maneira.  Também encontramos pessoas que confundem as manifestações e confusões atuais, com o fato dos ativistas estarem presos lá na Rússia.  Então, tivemos a oportunidade de explicar melhor o que aconteceu com eles e o porquê desta atitude da Rússia ser tão errada.

Depois de um dia longo e de muita troca de informação com várias pessoas, tivemos a certeza de termos plantado dentro de cada um que cruzou conosco inovação, informação e até esperança para os mais céticos que não acreditam que podemos transformar o nosso mundo em um mundo melhor.

Fomos embora com a certeza de que nosso dia foi ganho e a gratidão que sentimos depois deste PV não tem preço porque ela vem de dentro!

Até o próximo encontro!

Clique aqui para ver todas as fotos da atividade

[Na foto abaixo um menininho morador de Paquetá que viu pela primeira vez a energia solar, e comeu o primeiro ovo frito feito em um fogão solar]

Imagem